O Lava-pés e sua bem-aventurança

Conforme podemos ver no Evangelho de São João, capítulo 13, versículos 1 a 20, o Senhor Jesus Cristo, terminada a ceia, levantou-se e lavou os pés aos discípulos determinando que assim também fizessem uns aos outros.

Esta ordenança não tem sido entendida por muitos servos de Deus, e pela falta de entendimento deixam de praticar o lava-pés. Conseqüentemente, deixam de ser abençoados, conforme veremos.

Ao contrário do que alguém poderia entender, o ato do lava-pés é uma ordem do Senhor, e não um simples exemplo de humildade.

Primeiramente temos que levar em conta que o Senhor Jesus Cristo e os discípulos estavam comemorando a páscoa; porém naquele mesmo ato o Senhor Jesus estava instituindo a Ceia. E isto em casa de estranhos, porque o Senhor mandou a dois dos discípulos que fossem até determinado lugar e pedissem que o dono da casa lhes mostrasse onde Ele deveria comemorar a páscoa com os demais, e foi-lhes mostrado um grande cenáculo mobiliado.

Se o ato de lavar os pés era uma tradição, um costume da época que teria sido observado pelo Senhor Jesus, então quem deveria lavar os pés dos outros seria o dono da casa, pois estava recebendo visitantes, e não o Senhor Jesus lavar os pés de seus discípulos.

Em segundo lugar vemos que só o Senhor lavou os pés dos discípulos, e estes não lavaram os pés dEle, e podemos ver que todos haviam caminhado a mesma jornada porque todos estavam juntos, à exceção dos dois discípulos que foram na frente preparar a páscoa. Então, se todos estavam caminhando juntos não haveria necessidade do Senhor lavar os pés de ninguém, mesmo porque, além de não estarem na casa de nenhum deles, todos estavam na mesma condição e tinham feito a mesma jornada.

Vemos ainda que o Senhor Jesus mandava FUGIR da tradição dos escribas e fariseus, e certa feita quando um deles cobrou dEle que seus discípulos comiam sem lavar as mãos, que era também uma tradição, ensinou que nada que entra pela boca pode contaminar o corpo, mas sim o que sai da boca, demonstrando que temos que olhar as coisas ESPIRITUAIS e não as materiais (Mateus 15: 1 a 20).

Assim temos a certeza que de forma alguma o Senhor Jesus estaria ensinando alguma coisa material, mas sempre teve sentido espiritual, que SERVEM PARA A SALVAÇÃO DA ALMA, e não para simples aparência, porque a aparência desta vida passa, mas as palavras do Senhor não passarão (Mateus 24: 35).

Durante a execução do lava-pés o Senhor Jesus, chegando a Pedro, foi por este impedido de proceder para com ele conforme fizera com os outros, tendo este apóstolo dito que jamais deixaria que o Senhor lhe lavasse os pés, ao que foi respondido pelo Senhor que: “SE EU TE NÃO LAVAR, NÃO TENS PARTE COMIGO” (João 13:8).

Seria uma simples tradição ou um simples ensinamento de humildade que o Senhor Jesus estava vivendo, e chegaria a ponto de condenar à perdição eterna aquele que não fizesse como Ele fez?

Obviamente que não. Ali, naquele memorável dia, foi ensinada a humildade sim, mas não a dEle, porque Ele é o mais humilde dos homens, mas a nossa, porque Ele disse que Pedro não sabia naquele instante o que Ele fazia, mas saberia depois. E então ensinou que se Ele, Senhor e Mestre, nos lavou os pés, muito mais nós devemos nos humilhar e lavar os pés uns dos outros, porque o discípulo não é maior do que o Mestre, nem o que é ensinado é maior do que aquele que o ensina (João 13:16).

Note a profundidade e importância do lava-pés. Se você compreende e não participa deste ato corre o risco de perder a vida eterna, porque se recusa a ser humilde como o Senhor Jesus, pois não permitiu que o Senhor (representado pelos nossos irmãos) lavasse os seus pés, como ensinou o Senhor Jesus: “Se eu te não lavar, não tens parte comigo” (João 13:8).

Veja ainda a grandiosa revelação que o Senhor nos fez a respeito do lava-pés, porque quando Pedro disse que “não só os meus pés, mas também as mãos e a cabeça”, o Senhor disse que: “Aquele que está lavado não necessita de lavar senão os pés, pois no mais todo está limpo”.

E acrescentou: “Ora, vós estais limpos, mas não todos. Porque bem sabia Ele quem o havia de trair; por isso disse: Nem todos estais limpos”. (João 13: 9 a 11). Note que quem é lavado é que é abençoado, e não quem lava. Quem está lavando os pés do irmão está representando a pessoa de Cristo, pois Ele habita em nós.

Vemos também que o Senhor Jesus não estava se referindo à limpeza do corpo, mas à limpeza espiritual, à obediência ao seu mandamento. Por isso nós devemos participar do lava-pés instituído pelo Senhor, após a ceia, para que possamos ter a bem-aventurança que Ele prometeu a todos que assim fizessem: “Se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as fizerdes”(João 13:17).

A ordenança é tão profunda que o Senhor Jesus, através do apóstolo Paulo, proíbe que a Igreja ajude até às viúvas que “não tenham lavado os pés dos santos” (I Timóteo 5: 10).

Em suma, a palavra do Senhor é muito clara.

João 13:13-14

Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, porque eu o sou. Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros.

Assim sendo, participe você também do lava-pés instituído pelo Senhor Jesus, porque por ele se pode confirmar a salvação, tendo parte com o Senhor Jesus, ou até mesmo levar à condenação daquele que não pratica, conforme anteriormente mostrado.

Que a graça e a misericórdia do Senhor estejam todos os dias em sua vida e na de sua família, amém.

Pr. Eugenio Carpigiani Neto

Passe adiante esta mensagem.